Home » Consumismo, Making of

Godofredo e Belchior nos pequenos prazeres da vida

23 fevereiro 2011 1.949 visualizações Sem comentários

Os atores Cássio Gabus Mendes e Júlio Andrade durante a passagem de texto

Godofredo é um personagem nascido no século passado, interpretado por Cássio Gabus Mendes, em busca do conserto para o seu bom e velho relógio. Belchior é um vendedor dos tempos atuais, funcionário de uma relojoaria, interpretado por Julio Andrade. Ambos os personagens estão no episódio O Consumismo e a Corda do Relógio, dirigido por Lina Chamie, com roteiro de José Roberto Torero e Marcus Aurélius. Em rápido diálogo, um tenta provar ao outro os pequenos prazeres da vida, de acordo com o tempo, costumes e tradição em que vivem.

11. INT. – RELOJOARIA – DIA

GODOFREDO
No meu tempo as pessoas não têm
esse afã pelo prazer.

BELCHIOR

Não?

GODOFREDO
Pelo prazer de comprar, não.

BELCHIOR
E com que elas se divertem?

GODOFREDO
Nós nos regalamos com a comida,
com as amizades, com as festas,
com o… sexo. Enfim, são outras
coisas.

BELCHIOR
Esse é o problema, senhor
Godofredo, no seu tempo as
alegrias demoram muito para
vir. Comida boa, o senhor há
de admitir, é só de vez em
quando; amigos nem sempre estão
acessíveis, e festas, só as do
calendário religioso.

GODOFREDO
Isto é verdade.

BELCHIOR
Quanto ao sexo…

GODOFREDO
Por favor, nós não falamos disso
abertamente.

BELCHIOR
Claro, mas veja, por que a pessoa
não pode ter pequenos prazeres?
Que mal há em ela ir a uma loja
e comprar um sapato, uma camisa
nova, um…

GODOFREDO

Relógio?

BELCHIOR

Exatamente. Essas coisas não
custam caro e são gratificantes.

GODOFREDO
Isso me lembra uma fábula que
minha mãe contava. A fábula da da
formiga e da cigarra.

ANIMAÇÃO

NARRADOR (OFF)
Uma vez, num dia de Verão, a Cigarra cantava feliz. Enquanto
isso, uma Formiga passou por perto carregando um grão de milho para o
formigueiro. – Por que não ficas aqui a conversar comigo, em vez de
trabalhares tanto? – Perguntou- lhe a Cigarra. – Preciso guardar
comida para o Inverno – respondeu- lhe a Formiga. – Por que hei de me
preocupar com o Inverno? Comida não nos falta… – respondeu a
Cigarra, olhando em redor. A Formiga nada falou, continuou seu
trabalho e foi-se embora. Quando o Inverno chegou, a Cigarra não
tinha nada para comer. No entanto, viu que as Formigas tinham muita
comida porque a tinham guardado no Verão. A Cigarra foi pedir ajuda
à formiga, mas esta lhe disse: – Tu não cantaste no Verão, agora
dance!

INT. – RELOJOARIA – DIA

BELCHIOR
Se fosse hoje, a cigarra teria
comprado comida a crediário e não
teria morrido.

GODOFREDO

Pois eu prefiro ser como a
formiga. Economizo para ter um
futuro tranqüilo.

BELCHIOR
Ora, o futuro a gente deixa para
depois.

GODOFREDO
Bom jogo de palavras, mas não sei
é um pensamento correto.

BELCHIOR
No seu tempo, o futuro era o lugar
do idílio, da felicidade. Hoje, o
presente é que é o lugar do idílio
e o futuro é o limitador da nossa
felicidade. Entendeu?

GODOFREDO
Nem um pedaço.

BELCHIOR
Por exemplo, você não pode
beber demais porque senão seu
fígado vai ficar ruim, ou você
pode fazer sexo, mas tem que se
proteger porque pode pegar aids.
O futuro deixou de ser um lugar
de felicidade para ser o lugar de
ameaça.

GODOFREDO
Isso nunca tinha me passado pela
cabeça.

BELCHIOR
Não tinha passado porque o senhor
é do passado. Mas agora essa
ideia de futuro é uma coisa muito
presente.

GODOFREDO

Hein?

Tags: , , , , , , ,

Compartilhe por e-mail Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo Twitter Compartilhe pelo Google Bookmarks Compartilhe pelo Google Buzz Compartilhe pelo del.icio.us Compartilhe pelo Orkut Compartilhe pelo Windows Live Assine o RSS

Deixe seu comentário!

Adicione seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode assinar esses comentários via RSS.

O uso de Gravatar está habilitado. Para ter seu próprio avatar, por favor se registre em Gravatar.