Home » Depoimentos, Poder

O direito coletivo dos índios durante o governo militar

18 fevereiro 2011 1.844 visualizações Sem comentários

Em uma das passagens do episódio O Poder e o Bang-Bang, dirigido por Gilberto Scarpa, está o depoimento de Márcio Santili, um dos consultores para o episódio que, ao lado de Beto Ricardo, comentam das forças ambientalistas e dos primeiros movimentos nacionais que formaram em oposição ao governo militar.

Muitas dessas entidades em oposição à ditadura se uniram aos grupos ambientalistas nos debates em torno do texto constitucional de 1988. Se esforço era no sentido de incluir no texto final, artigos que representassem a defesa das populações tradicionais com valorização da diversidade e do meio-ambiente, em meio a outras discussões, esse grupo teve papel decisivo na luta pelo reconhecimento dos direitos coletivos dos índios e no empenho em regularizar a demarcação de suas terras, opondo-se à ação destrutiva dos agentes econômicos.

E em um dos seus depoimentos, Márcio Santili fala das táticas de alianças e estratégias de propaganda dos ambientalistas. Principalmente de como, deixando de lado a divisão tradicional de esquerda e direita, se aliaram a figuras como o ex-coronel e ministro do regime militar Jarbas Passarinho. E no Caso dos índios, o trabalho foi vitorioso: 0,2% da população ficou com 13% do território.

E no documentário, o diretor Gilberto Scarpa sai às ruas e pergunta o que povo acha dos índios serem responsáveis por 13% do território nacional. E você, o que pensa sobre isso?

Tags: , , , , , , , ,

Compartilhe por e-mail Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo Twitter Compartilhe pelo Google Bookmarks Compartilhe pelo Google Buzz Compartilhe pelo del.icio.us Compartilhe pelo Orkut Compartilhe pelo Windows Live Assine o RSS

Deixe seu comentário!

Adicione seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode assinar esses comentários via RSS.

O uso de Gravatar está habilitado. Para ter seu próprio avatar, por favor se registre em Gravatar.